Devolutivas do DGEM favorecem o planejamento

10/05/2019 | Conviva Educação

Em janeiro de 2019, 1.263 municípios responderam o Diagnóstico de Gestão da Educação Municipal (DGEM) elaborado pelo Conviva. As questões foram organizadas em quatro dimensões da gestão: pedagógica, administrativa, ético-política e estratégica. Os respondentes têm direito a uma devolutiva personalizada que indica os pontos fortes e os de melhoria. Relembre detalhes do DGEM neste link e saiba mais sobre a devolutiva neste vídeo 1 minuto:

Veja como acessar as devolutivas:

- Cada município tem um código de acesso para a devolutiva, que é personalizada conforme as respostas dadas;

- Esse código foi enviado individualmente por e-mail;

- Os municípios que não tinham acessado as devolutivas receberam uma nova mensagem dia 7 de maio. Verifique sua caixa de e-mail e encontre o código de acesso!

- Em caso de dúvidas, escreva para contato@convivaeducacao.org.br

E se você tem interesse em responder o questionário, fique atento às comunicações sobre a próxima edição do DGEM, prevista para 2020.

 

Em Maceió, um exemplo de como aproveitar a devolutiva com toda a equipe

A equipe da secretaria municipal de educação de Maceió (foto do alto da página), capital de Alagoas, diz estar consolidando a cultura de planejamento entre os profissionais. Por isso, aproveitou a devolutiva do DGEM para discutir sobre os processos de gestão. Claudia Tenório, técnica em planejamento da secretaria, conta que em 2018 o Diagnóstico já havia sido preenchido, mas a devolutiva não foi discutida entre a equipe.

Em 2019, a proposta foi diferente: cada área deve receber os comentários e verificar os pontos altos e o que precisa ser melhorado. O que for definido será compartilhado por todos e construído um documento final, que guiará o planejamento da equipe. “Percebemos que muitas ações secundárias estavam tomando mais tempo do que as necessidades prioritárias. Com as discussões que o DGEM possibilitou, estamos revendo o foco do trabalho”, conta Claudia.

A secretária de educação, segundo ela, incentiva a troca entre a equipe e as reflexões para uma melhor tomada de decisões. “Embora a rotina seja muito intensa, a Dirigente considera essencial momentos para analisar a gestão da educação de forma estratégica e articulada”, complementa.

Claudia lembra que embora a realização de diagnósticos seja constante nas salas de aula, na secretaria isso não ocorre com frequência. Porém, a equipe nota como é importante ter o retrato da realidade como um ponto de partida para embasar os próximos passos. “Os técnicos têm responsabilidade sobre suas ações e ficam inquietos por ver que ainda há muito o que fazer para alcançarmos a excelência. Vemos a necessidade de realizar ações contínuas para melhorar a situação”, finaliza.

Notícias Relacionadas